terça-feira, 21 de maio de 2019

Os Sismos dos Cismas (3)

O Cisma de Avinhão é remetido ao regresso do papado a Roma em 1378, mas o problema começou antes, com a saída do papado de Roma, em 1305-09.

A personagem no centro da acção seria o rei francês Filipe IV, dito "o Belo".
Filipe IV de França manda prender e queimar templários (13 de Outubro de 1307).

Filipe IV, estando cheio de dívidas, decidiu cobrar taxas ao clero. 
O papa Bonifácio VIII opôs-se, invocou que o poder papal estava acima do real, e excomungou o rei francês. Este não esteve com pruridos, enviou um exército contra o papa, Bonifácio foi preso e espancado, acabando por falecer em 1303.
Os cardeais tentaram eleger um novo papa mais simpático para Filipe, mas mesmo tendo-lhe levantado a excomunhão, o papa Bento XI acabou por morrer oito meses depois, em 1304, envenenado, provavelmente sob champignons françaises.
A solução sob pressão foi eleger o papa Clemente V, francês e um parente de Filipe IV, que assim serviria directamente ao rei francês... e mais que isso, instalou-se em solo francês!
Começa assim o papado de Avinhão em 1305, com a vinda da cúria em 1309, e até que o papa regressasse a Roma em 1377. 

O cisma oficial, de 1378 a 1417, ocorre pela insistência francesa em eleger papas em Avinhão que passaram a ser chamados "antipapas". Para complicar o assunto (ou talvez para o resolver) em Pisa apareceram ainda outros "antipapas". 
Curiosamente, o cisma termina em 1415, no ano da conquista de Ceuta, com a abdicação do papa de Roma, Gregório XII e do antipapa de Pisa, João XXIII, e também com a excomunhão do papa de Avinhão, Bento XIII, que não abdica. O novo papa Martinho V, que só toma o lugar em 1417, acabará por ser reconhecido mesmo por Avinhão, mas só em 1429. 
Este abdicar em 1415 visou resolver o problema de Avinhão, quanto ao seguinte, em 2013, é mistério.

Interessa que houve uma certa divisão por reinos na aliança aos papas de Avinhão ou Roma:
  • Avinhão: França, Castela e Aragão, Borgonha e Savóia, Nápoles, Gales e Escócia.
  • Roma: Inglaterra, Portugal, Sacro-Império Alemão, Flandres, Escandinávia, Hungria, Polónia.

Por isso, na aliança de 1373, e depois no Tratado de Windsor (1386), entre Inglaterra e Portugal, há aqui um outro aspecto de ligação. Ao contrário de uma baixa Idade Média, com os reinos muito focados em si mesmos, com a entrada dos Normandos, e dos reinos escandinavos (Dinamarca, Noruega e Suécia) no mundo católico, o que levou praticamente ao início das Cruzadas, o panorama europeu alterou-se significativamente quando entramos na alta Idade Média. 

As Cruzadas abrem de novo a Europa a contactos entre as diversas nações, há um espírito de união contra a ameaça muçulmana, e para isso será crucial o papel das ordens monásticas, especialmente os templários e hospitalários. Antes deste período, seria impensável ter uma armada de cruzados de diversas nacionalidades a participar na conquista de Lisboa, por exemplo.
Até por uma razão simples... os cavaleiros, escudeiros, homens de armas eram propriedade exclusiva de uma casa real, de um ducado ou condado, e só se mexeriam para combater sob o seu senhor. Isso iria ser alterado com os exércitos convocados para as Cruzadas, e para as ordens militares.

Templários
O rei francês Filipe IV e o seu papa Clemente V, ficaram mais conhecidos pela perseguição e extinção da Ordem dos Templários em 1307-12, levando à morte na fogueira de muitos templários e em particular do mestre da ordem, Jacques de Molay, em 18 de Março de 1314.

A ideia do rei francês seria propor a união dos templários e hospitalários, numa única ordem, da qual o próprio rei de França seria o único grão-mestre. 
Para Filipe IV seria especialmente incómodo ter o rei inglês como vassalo na Aquitânia, então chamada Guiana (variação de Aguitana), algo que foi conseguido em troca da Normandia, porque os reis de Inglaterra eram naturalmente duques da Normandia, até que o rei Luís IX, dito São Luís, convenceu a troca com a província mais distante, a Guiana, com capital em Bordéus.
Provavelmente, à frente desse exército seria mais fácil recuperar a Guiana, e finalmente unir o território francês, sem presença inglesa-normanda. 

Conseguiu a extinção dos templários, por bula papal, a que escapou apenas Portugal, onde tomou a forma de Ordem de Cristo. Não conseguiu a extinção dos hospitalários, que se mantiveram até hoje, sob forma de Ordem de São João, ou posteriormente, Ordem de Malta.

Após a expulsão dos Cruzados dos territórios da Palestina, o outro território onde a sua acção seria mais efectiva contra os árabes, seria a Ibéria. Assim, e especialmente os templários, tinham múltiplos castelos na Península Ibérica... e vemos desde logo aqui a diferença entre a abordagem portuguesa, que permitiu a permanência da ordem, e a abordagem castelhana ou aragonesa, que acabaram por seguir a bula de Avinhão e suprimir a ordem, em favor de outras ordens locais, espanholas - como as ordens de Calatrava, de Montesa, de Alcantara, ou de Santiago (esta também com uma variante portuguesa).
Tal como a Ordem de Avis, portuguesa, ou a Ordem Teutónica, tipicamente alemã, estas ordens locais não tinham o mesmo impacto trans-nacional que exibiam as ordens templária e hospitalária, que eram de nomeação papal directa.

A agenda dos templários não teria mudado, e o plano continuaria a ser um combate contra o domínio muçulmano. Em particular, a denominada "tática da cunha", que consistiria em contornar o continente africano e surpreender os árabes pela retaguarda, na península arábica... Algo que esteve praticamente pronto a ser concretizado por Afonso de Albuquerque, aquando da sua substituição como vice-rei.

Também não será de estranhar que em mapas de Pedro Reinel, e outros, apareça não só a bandeira das 5 quinas, mas também a bandeira com a Cruz de Cristo, significando possivelmente uma concessão à Ordem de Cristo.
Mapa "Pedro Reinel a fez" - bandeira com a cruz templária da Ordem de Cristo 
e bandeira nacional com as 5 quinas.

A reconquista de Jerusalém chegou mesmo a tentar ser negociada com a China, enquanto sob dinastia mongol, quase ao mesmo tempo que Marco Polo fazia as suas famosas viagens. O interesse não era apenas europeu, e houve um enviado de Kublai Khan, de nome Rabban Bar Sauma que partiu numa viagem de 1280 a 1294 onde se encontrou com diversos monarcas europeus, em particular com o rei francês Filipe IV, e com o rei inglês, Eduardo I. Ainda constou que o grão-mestre templário, Jacques de Molay, tivesse comandado uma ofensiva mongol que teria invadido Jerusalém, em 1300, mas essa notícia veio a constatar-se ser falsa. A partir dessa altura, e com os relatos de Marco Polo, os europeus consideraram ser igualmente perigoso o risco de uma invasão pelos mongóis, no pretexto de se aliarem contra os árabes.

Maçonaria
Com o fim dos templários, e apesar dos hospitalários manterem um carácter trans-nacional, a ideia de um projecto trans-nacional para a reconquista de Jerusalém foi sendo perdida. Poucos anos após o fim dos templários, o rei inglês Eduardo III decide formar a Ordem da Jarreteira, inicialmente ligada à disputa com França na Guerra dos 100 anos, mas que vai afiliar reis estrangeiros aliados - em particular, e o primeiro rei não inglês, seria D. João I, assim como serão membros os seus sucessores da Dinastia de Avis. Em contrapartida, seria criada a Ordem do Tosão de Ouro, pelo Duque da Borgonha, também de carácter multi-nacional. A política no final da Idade Média começa já a fazer-se de alianças entre os reinos, devido à constatada fraqueza da posição e arbitragem papal.

Esse paradigma de alianças e tratados entre estados passará a ser a única forma diplomática de relacionamento quando termina a Guerra dos Trinta Anos, em 1648, com uma derrota dos Habsburgos e consequente declínio e fragilidade da posição papal.

Um entendimento e uma diplomacia subterrânea, passam a ser necessárias para além da Cúria Romana, agora com um poder de influência muito limitado. É neste contexto que vai aparecer em Londres a Maçonaria, formalmente em 1717, ou seja praticamente 70 anos depois.

A Maçonaria exibe ainda no seu rito escocês, ou de York, nomenclaturas que invocam uma herança templária, e também hospitalária. Portanto, a herança de uma organização trans-nacional que terá sido característica destas ordens monásticas francesas, acabou por migrar para uma organização inglesa, praticamente sob alçada da coroa britânica. Seriam ainda os britânicos que finalmente, em 1917, vão conquistar Jerusalém, realizando o velho sonho templário. A ordem templária, depois maçónica, e que nunca deixou de transparecer uma forte influência judaica (começando na invocação ao Templo de Salomão), acabaria mesmo por definir na declaração de Balfour o projecto sionista.
É verdade que antes, Napoleão ao desembarcar em Jaffa, procurava ser ele o restaurador do domínio europeu sobre Jerusalém, mas nessa altura já todo o poder se desequilibrava para o lado inglês, e não caberia aos franceses esse papel de regular os sinos das lojas. 
A sucessora de Roma não seria Avinhão, mas sim Londres.

quinta-feira, 16 de maio de 2019

Os Sismos dos Cismas (2)

Afinal, o que aconteceu aos sacerdotes faraónicos, quando o Egipto foi engolido pela cultura greco-romana, depois pela cristã e finalmente pela muçulmana?
Ou, o que aconteceu aos sacerdotes do panteão greco-romano quando apareceu a religião cristã?
Ou ainda, o que aconteceu aos druidas celtas com o crescimento da religião cristã?

As religiões sobreviveram enquanto desempenharam o papel social promovido pelos seus sacerdotes. Quando os sacerdotes deixaram de ter relevo social, apadrinhado pelo poder executivo e militar, o número de fiéis foi diminuindo significativamente, até ao ponto da extinção religiosa.

Uma importante excepção foi a religião hebraica, que se formou como carácter identitário do povo judaico. Outra importante excepção foi a religião budista, que se propagou sem a ajuda de uma conquista bélica, como aconteceu com a religião muçulmana. Os budistas foram pioneiros numa difusão missionária da religião, com um paralelo que teria lugar com os missionários cristãos, ainda que essa cristianização fosse acompanhada também de um domínio militar.

Ascetas egípcios e beneditinos
O carácter ascético, que iria definir as ordens monásticas cristãs, teria um paralelo numa tradição antiga hindu, depois transportada para o budismo, e também para os primeiros monges egípcios (S. Paulo de Tebas, S. Antão do Deserto) que influenciaram São Bento a definir as regras de vida reclusa dos monges nos mosteiros, no Séc. VI. Este tipo de ordem monástica não foi exclusiva dos beneditinos, tendo sido praticamente seguida por todas as ordens posteriores, tendo as ordens militares outras variantes.
S. Paulo de Tebas, S. Antão do Deserto - primeiros eremitas cristãos (Séc. III, Egipto)
(Excerto de quadro de Velasquez.)

Os sacerdotes egípcios terão feito uma rápida conversão ao cristianismo, talvez porque na dinastia ptolomaica, a religião egípcia se começara já a focar em Hermes Trimegisto, visto como uma derivação de Tot, o que muito terá influenciado os primeiros movimentos cristãos gnósticos. O mistério da Trindade seria importante nessa filosofia religiosa, como depois se tornou crucial na religião cristã.

As correntes de pensamento neoplatónicas, ou gnósticas, deram esse aspecto teológico eremita, de reflexão pessoal, que pode encontrar raízes mais antigas em Zaratustra - cujas reflexões sobre a entidade suprema - Ahura Mazda, também se teriam processado numa caverna afastada. Esta influência eremita de Zaratustra estará também depois presente num hinduísmo politeísta e num posterior budismo ou taoísmo, mais introspectivos.

Monoteísmo e politeísmo
O aspecto monoteísta versus politeísta, começou a causar problemas no Séc. XIV a.C. com o faraó Akhenaton, e um conflito latente entre o aspecto mais popular - de múltiplas divindades - e o aspecto mais intelectual - de uma única divindade, foi coexistindo, sempre com vantagem para o politeísmo até à chegada do cristianismo, onde a velha filosofia monoteísta se impôs em todo o mundo romano.

Houve assim um conflito prolongado no tempo, onde o aspecto religioso mais popular tendia para a adoração de múltiplas divindades ocasionais, e o aspecto teológico, mais filosófico, proclamava a criação por uma única divindade suprema. No sentido dessa tradição monoteísta, a religião hebraica, talvez resultado de uma facção resistente dos tempos de Akhenaton, lembrando Moisés, foi aceite como "velho testamento", mesmo na sua versão pouco filosófica, e muito politeísta, na concepção de divindades inferiores (os anjos).

Assim, apesar da Igreja medieval se centrar num neoplatonismo, que entendia Platão e Aristóteles como grandes doutores da igreja, e preconizar um idealismo monoteísta, as diversas tendências populares a que a Igreja foi cedendo, fizeram aparecer um politeísmo de múltiplas pequenas divindades, de anjos a arcanjos, de beatos a santos, etc. Enquanto instrumento de poder, a Igreja não deixou de seguir na tendência comum da população, e aceitou ou tolerou os cultos populares.

Um exemplo interessante é o da tradição chinesa, onde existe uma espécie de capitalismo religioso, onde os templos crescem consoante a lei da oferta e da procura... ou seja, se as preces a certa divindade resultarem, então as oferendas aumentam e o templo cresce. Se, pelo contrário, as preces não forem atendidas, o templo entra em decadência, e as pessoas deixam de aí procurar a sua sorte, acabando por desaparecer. Isto acontece de forma similar também com muitos santos católicos e locais de peregrinação, que foram crescendo ou decrescendo, consoante a popularidade.

O politeísmo foi ainda necessário para acomodar os cultos europeus pagãos, de origem celta, que permaneciam enraízados nas populações. A figura de uma deusa mãe passou a ter um substituto no papel materno de Maria, e cultos mais específicos dedicados à fertilidade tiveram a sua dedicação a entidades cujo nome deixa poucas dúvidas - como é o caso de Nª Srª do Ó, onde o Ó se refere simplesmente à forma do ventre em "O" (por muito que se pretenda argumentar outra coisa).

Grande Cisma - Filioque
A separação entre a Igreja Romana Ocidental e Oriental era quase inevitável, e será até estranho que só tenha ocorrido em 1054. O pretexto da ausência da palavra "filioque" foi aparentemente a menor causa arranjada para uma divisão tão marcada.
Há alguns detalhes que não devem ser desconsiderados.

Carlos Magno é coroado imperador.
Em 800 d.C. Carlos Magno é coroado pelo papa Leão III como imperador do Sacro-Império Romano, e abre-se um conflito com o Império Oriental de Constantinopla - o legítimo herdeiro, porque não teria perdido a sucessão de imperadores. Este novo Império Ocidental surgia do nada, aparentemente por iniciativa papal, mas já estaria em preparação.

Exactamente na mesma altura, e muito provavelmente em resposta à anexação da Saxónia por Carlos Magno em 772-804, os Vikings começam os seus raides invadindo os territórios costeiros ocidentais.

Portanto, não foram apenas os bizantinos a incomodar-se com esta ascenção de Carlos Magno ao título imperial. Também os povos escandinavos - até aí remetidos basicamente a um certo isolamento - passam a aparecer de forma incómoda na história europeia, e não é claro que os dois acontecimentos não tivessem uma outra ligação mais directa.

A pressão viking foi de tal maneira complicada que o rei francês Charles III só conseguiu terminar com os raides, cedendo o território da Normandia ao líder viking Rollo, ou Rolf, que seria assim o seu primeiro duque.
Seria da Normandia que se estabeleceria a sucessão dinástica de Inglaterra, após a invasão de Guilherme I (William) em 1066. Nesse mesmo ano, e pouco antes de ser destituído e morto por Guilherme, o rei inglês Harold tinha evitado a invasão do rei norueguês Harald, na batalha de Stamford Bridge. Neste altura, em 1066, já o rei noruguês ou o duque da Normandia, eram ambos cristãos.

A entrada dos normandos na história da Europa já tinha começado na incursão e conquista de territórios no sul de Itália, que antes estavam sob domínio bizantino. As guerras entre bizantinos e normandos foram por assim contemporâneas do Cisma e antecederam a 1ª Cruzada.

Um pedido de ajuda do Imperador bizantino levou à convocatória da 1ª Cruzada 1096-99, pelo papa francês Urbano II. Para esse efeito foi determinante o papel dos normandos, que engrossaram esse grande exército - que ao contrário do que esperava o imperador bizantino Alexis I, não foi apenas uma simbólica força de ajuda.

Roma e Constantinopla viviam bem com uma Jerusalém sob domínio árabe, até que apareceu esta nova vaga de soldados normandos, que levariam mais a sério a questão de ter o local sagrado de Jerusalém acessível à peregrinação cristã. É assim neste contexto que surgem logo de seguida as ordens monásticas militares, destinadas a combater a presença muçulmana em território cristão.

Subitamente a Europa reunia forças militares trans-nacionais, de grande dimensão, fundadas sob ordens monásticas, como os Templários, Hospitalários ou Teutónicos, capazes de desequilibrar o equilíbrio medieval.


quinta-feira, 9 de maio de 2019

Os Sismos dos Cismas (1)

A Ordem dos Templários foi uma organização transnacional, com poder militar próprio.
- Que outra organização transnacional militar existiu antes? - Os Hospitalários.  
Ambas estas ordens militares foram criadas após o sucesso da 1ª Cruzada. Os Hospitalários em 1113, e os Templários em 1119.
Repare-se que antes disso, e ao longo da história conhecida, o poder militar estava associado a um rei ou a um seu vassalo nobre. 

- Qual foi a primeira organização hierárquica transnacional? - A Igreja Cristã.
O Império Romano, tal como impérios anteriores, juntavam diversos povos, reinos, podia manter alguma autonomia dos mesmos, mas todo o poder era centralizado sob uma única nação romana. Ou seja, não eram autorizadas disputas, guerras, dentro do império. Nos impérios anteriores a situação era semelhante, com o poder era centralizado na pessoa do imperador, e normalmente com as religiões de serviço sob a sua obediência. 
Raramente vamos encontrar uma religião transnacional, e no entanto vemos religiões muito semelhantes, como acontece entre o panteão de divindades romanas que era praticamente idêntico ao panteão de divindades gregas, e ainda com semelhanças com religiões de outros povos (etruscos, fenícios, etc.). 

Com a dissolução do Império Romano Ocidental, formam-se diversas nações, reinos autónomos, que podiam entrar em grandes guerras entre si, mas onde o Papa exercia uma uma função arbitral, mais ou menos passiva, já que estava destituído de força militar. 
Com o advento das Cruzadas e a formação das Ordens Militares, a situação vai-se alterar de forma considerável, porque estas organizações militares gozam de uma considerável autonomia, apesar de terem os seus mestres nomeados pelo Papa.

Interessa aqui notar o carácter único dos templários, já que ter um castelo templário em Tomar, seria nos dias de hoje equivalente a manter cidades sob completo controlo da ONU nos territórios onde houvesse conflito... como por exemplo no Iraque, Afeganistão, Líbia ou Síria. O mais próximo que temos disso são as bases americanas em diversos territórios. Mas se os reis portugueses toleravam a presença templária, muito mais dificilmente iriam tolerar bases estrangeiras em território nacional.

A Igreja Católica e as Ordens Militares foram o primeiro passo na definição de um poder presente internacional, para além do poder régio, mesmo que os comandantes locais fossem normalmente naturais do país, a sua obediência ia para além do poder secular e servia ainda um poder temporal.

Foi esta falha que apareceu após a Guerra dos Trinta Anos, no Séc. XVII. A separação do poder papal levou a estados independentes sem a mediação papal, sem nenhuma organização comum de bastidores, e basicamente tornou necessária a ideia de ser inventada rapidamente. Surgiu assim a maçonaria... que foi justamente beber influências às ordens militares - dos Templários e dos Hospitalários (de São João Baptista, e de Malta).



Os Cismas
A Igreja Cristã teve alguns momentos decisivos, que se propagaram como ondas sísmicas. 

(i) Um primeiro momento foi a crise do Arianismo, propagada por Arius de Alexandria, que colocava em causa a Trindade, pois afirmava a pessoa do Filho procedente do Pai. O Concílio de Niceia arrumou com a questão excomungando os arianos.

Já tinha aflorado este assunto a propósito de São Nicolau, cuja lenda consta ter esbofeteado Arius, mas que na prática nem sequer é certo que tenha estado presente em Niceia (Turquia).
Figuração bizantina em que S. Nicolau teria dado uma bofetada a Arius.

O arianismo não deixou de ter influência nos reinos ibéricos, pois essa era a linha da religião cristã visigoda, e diversas contendas com Roma foram aparecendo, com maior ou menor intensidade. 

(ii) Um segundo momento foi o grande Cisma Oriente-Ocidente, por causa da cláusula Filioque, onde a Igreja Ortodoxa quebrou definitivamente com o Papado em Roma, mais uma vez por uma razão da  Trindade. Neste caso, a Igreja Ortodoxa sustem (até hoje) que o Espírito Santo não procede do Filho, mas apenas do Pai. O que divide Oriente e Ocidente é a presença da palavra Filioque na frase:

Et in Spiritum Sanctum, Dominum et vivificantem: qui ex Patre (Filioque) procedit

Ou seja, "e no Espírito Santo, Senhor, e dador da vida, que procede do Pai (e do Filho)".

(iii) Um terceiro momento complicado foi a Cruzada Albigense, que vitimou milhares de cátaros, no Sul de França. Neste caso, os cátaros iam bem mais longe, vendo uma dualidade de deuses. Satanás no deus do Antigo Testamento, e Cristo na pessoa do Novo Testamento. Aqui a cisão foi remediada com a força bruta... ficando a lenda de que na dúvida os 20 mil cidadãos de Béziers foram mortos, argumentando que Deus depois decidiria quais eram culpados ou inocentes da heresia.

(iv) O quarto momento ocorre no reinado de Filipe o Belo, rei francês que irá extinguir os templários.
Como o papa Clemente V é francês, decide ficar em Avignon (Avinhão), tal como os seus sucessores, todos franceses... até que um deles, o papa Gregório XI, decide o regresso a Roma.

Avignon - Palácio papal (casa oficial do Papa entre 1309 e 1376)

Quanto a franceses, Avignon serviu de lição a Roma.
Depois de Avignon, não houve mais papas franceses... aliás papas que não fossem italianos já era coisa rara, depois disso e dos Bórgia espanhóis, durante quase quinhentos anos só houve papas italianos, até aparecer o polaco João Paulo II.

(continua)

quinta-feira, 2 de maio de 2019

dos Comentários (50) carros de assalto e joguetes

Carros de assalto
Em comentário ao postal anterior, lembra o João Ribeiro a utilização dos carros militares:
Do Livro XI da Monarquia Lusitana, Cap XXII
"... e os nossos perderam o animo, se el rei não baixara do CARRO MILITAR em que andava e, acudira animosamente a esta parte, pelejando a pé com tal esforço..."
O que me espanta aqui não é o facto de D. Afonso Henriques que estava inibido de cavalgar, ter combatido através de carro/carroça/coche ou fosse lá o que fosse que tivesse rodas, mas sim o facto de um fulano do séc XVI/XVII ter a noção de "carro militar", como se fosse algo usual. Ou Fr. António Brandão remete as bigas/trigas/quadrigas para o séc XII num erro anacrónico de amador ou tinha o conhecimento de que na época medieval, se utilizavam carros para vários fins inclusive o militar. Por outro lado poderia usar o termo seu contemporâneo de "carro militar" remetendo-o para o século XII. Em qualquer um dos casos ficamos intrigados em como se sabe tão pouco sobre o uso de "carros militares" desde a antiguidade até ao seu tempo.
Para além da importante observação que D. Afonso Henriques usava um carro militar, isto lembra bem uma das técnicas mais conhecidas para assalto a castelos ou fortalezas, e que consistia no uso de torres de assalto, cuja base era justamente deslocada por rodas.

Uma das imagens mais notáveis disto, é um alto-relevo Assírio, situado no palácio de Nimrud (Iraque), onde se vê justamente o uso de um carro de assalto com aríete... e com 6 rodas!
Alto-relevo Assírio de ataque a uma cidade, usando um carro de assalto com aríete (circa 865-860 a.C.).

Este carro de assalto faz lembrar os primeiros tanques, e é até de admirar como esta imagem não é usada, pelos habituais especuladores de antigos astronautas, para invocar a presença de tecnologia antiga. É ainda curioso que o aríete é aqui colocado numa posição flexível inclinada, e não na habitual posição horizontal, como se tornou mais comum posteriormente.

Joguetes toltecas
Normalmente é considerado que as civilizações pré-colombianas não conheciam, ou não usavam a roda. 
Num outro comentário, José Manuel lembra a existência de pequenas figuras (ver link)... que seriam provavelmente brinquedos ou joguetes, onde os animais eram apresentados com rodas, conforme se pode ver na figura seguinte.
Brinquedo Tolteca com rodas (circa 800 d.C.) 

Caravanas sírias
Também na região do crescente fértil são encontrados muitos exemplos de brinquedos deste estilo, do Egipto até à Síria, onde foram são encontrados estes briquedos que lembram as caravanas que muitos séculos depois vieram a usar os colonos americanos que partiam para o Oeste.

Neste caso, esta colecção foi leiloada pela Sotheby's, pelo que se presume que a sua origem e datação (2000 a.C. - 1600 a.C.) tivesse sido minimamente verificada. Bom, e o que deve significar também que haverá objectos semelhantes guardados em museus... e não apenas em colecções particulares, ou pelo menos, assim se espera!

terça-feira, 30 de abril de 2019

A reinvenção da roda

Voltando a coches, e à citação do Museu dos Coches (em resposta a pergunta de João Ribeiro):
"A invenção e uso das carruagens não é de muito antiga data na Europa. A primeira viatura desta espécie, que talvez apareceu em Paris, foi o carro que em 1457 ofereceu à rainha de França o embaixador de Ladislau V, rei de Boémia e Hungria - país que parece ter sido o berço daquela descoberta sumptuária."
Antes que me vá esquecendo, e apesar de ter referido algumas coisas nos comentários, não poderia deixar de aqui colocar algumas imagens significativas, que indicam precisamente o contrário.

É claro que a questão não é a existência de quadrigas, que estão extensivamente ilustradas em desenhos da Antiguidade, de egípcios a gregos e romanos. A única questão que se levanta, e de forma despropositadamente absurda, é sobre o uso antigo de carros com 4 rodas.

(i) Dinamarca - Trundholm (carro solar)
O primeiro exemplo que apresentamos é o de um objecto de bronze, bem conhecido, encontrado na Dinamarca (em 1902), representando o que é entendido como um "carro solar". A sua datação, estimada pelo museu nacional dinamarquês, é 1400 a.C.
 Carro solar de Trundholm (circa 1400 a.C.)

O curioso neste caso é que neste caso há mesmo 6 rodas, e não apenas 4.
Sendo um objecto simbólico, o cavalo aparece colocado em cima das rodas e não a puxá-las, mas a presença do cavalo indicia justamente o seu apropriado uso para a locomoção do carro.

(ii) Alemanha - Acholshausen (carro alegórico)
Um outro exemplo de representação de um carro alegórico de bronze, foi encontrado num túmulo de pedra na Alemanha, em Acholshausen, num excelente estado de conservação.

Estes dois exemplos, sendo da Idade do Bronze, não permitem concluir que os carros de quatro rodas fossem usados para fins práticos. Claro que aqui se poderia argumentar que se tratam apenas de objectos ornamentais, porque quando não se quer ver, basta fechar os olhos.

(iii) Suécia - Tossene (petróglifo)
Ainda no norte da Europa, há na Suécia, na municipalidade de Sotenäs (em Tossene), inscrições gravadas na rocha com desenhos rudimentares, mas ilustrativos. Estes desenhos estão datados como pertencentes à Idade do Bronze, e podemos supor anteriores a 500 a.C. Nesses petróglifos é mais comum a representação de barcos, mas encontra-se ainda uma inscrição que explicita bem um veículo de 4 rodas, um carro que seria puxado por animais, provavelmente cavalos.


(iv) Itália - Capo di Ponte (petróglifo)
O último exemplo que trazemos, é já em Itália, na região de Capo di Ponte, em Val Camonica, uma região conhecida por ter o maior conjunto de petróglifos conhecidos. Estas inscrições estão datadas desde o Neolítico até à Idade do Bronze.
Neste caso, no parque de Naquane, vemos uma carroça de 4 rodas puxada por dois animais, provavelmente dois cavalos.

Portanto aqui não restam muitas dúvidas que o uso de carroças vai a um tempo que pode ir da Idade do Bronze ao Neolítico (ou mesmo Mesolítico, circa 4000 a. C.).

Carro ou Quarro, Quadrigas
Ora o que se tornou depois popular na época greco-romana foi o uso de quadrigas.
Ou seja, deixaram-se de usar 4 rodas, passou a usar-se um carro com 2 rodas puxado por 4 cavalos.
O uso de 4 cavalos para puxar um carro parece exagerado, e se repararmos na inscrição egípcia que tem Ramsés II num carro de guerra, vemos que há apenas 2 cavalos que puxam o carro.
Ramsés é puxado por um carro com 2 cavalos na Batalha de Kadesh.

Um acontecimento dramático que marcou o fim da Idade do Bronze foi justamente a Guerra de Tróia e eventos seguintes (como a Batalha de Kadesh).

Na minha opinião, na origem da nossa palavra "carro" = "ca+ro", estão as sílabas "ca" e "ro", e isso pode não ser acidental, já que "ro" se associa bem a roda e "ca" a quatro. Ou seja, quando falávamos em carro isso significaria justamente uma identificação a quatro rodas.
Aliás podemos escrever quatorze ou catorze, e portanto a escrita "qua" muito se destinou a esconder a origem "ca", passando a pronunciar-se o "u", numa provável deturpação da palavra original.

Ora, nesta suposição, foi decidido manter o número 4 como número de cavalos a puxar a quadriga, por referência às quatro rodas, ao mesmo tempo que praticamente não restaram nenhumas representações artísticas de carroças com 4 rodas, vindas do tempo greco-romano. 
Isso não teria sido acidental, foi praticamente uma decisão de regime que se impôs a partir da Idade do Ferro, mesmo que se saiba que os romanos usaram o carpentum (conforme referimos), mas dessas carroças não restou nenhuma inscrição ou pintura.

Carroça no Duque de Berry
No bem conhecido livro de horas do Duque de Berry (c. 1412) vemos alguns carros usados pelos camponeses e de facto parece que em época medieval os carros de duas rodas eram os mais comuns. 
Porém, se repararmos no carro solar, que aparece no topo da imagem, a azul, o que vemos é uma divindade conduzindo uma clássica carroça de 4 rodas, puxada por cavalos alados.
  
Trés riches heures du duc de Berry - mês de Setembro. À direita, zoom onde se vê a "carroça solar".
......

Carroça de rainhas
Ainda mais explicitamente, num manuscrito do Séc. XIV (c. 1325-35) aparece uma carroça, carruagem ou caravana, razoavelmente longa, e onde se passearia a corte real, desfilando perante a população. O manuscrito é inglês, de East Anglia, denominado Lutrell Psalter.
Lutrell Psalter - manuscrito ilustrando uma carroça real. (East Anglia, c. 1325-35)

Há ainda outros exemplos, como na Cosmografia Scotti (que já foi aqui mencionada), onde se pode ver uma Balista montada sobre uma carroça, mas de um modo geral podem ser consideradas raras as ilustrações com carros de 4 rodas, na época medieval.

Reinvenção da Roda
É claro que podemos distinguir entre uma carroça e um coche, em termos do seu aspecto e do sistema de suspensão. Digamos que o carpentum romano seria uma carroça (carruagem ou caravana), enquanto que o coche apresentava uma suspensão da cabine, mais cómoda para os passageiros, especialmente em estradas ou caminhos em más condições.
Depois, a questão da definição particular, é apenas uma menção burocrática.

Interessa, isso sim, que o uso da roda para locomoção terá decaído significativamente com a degradação e completo abandono em que foram deixadas as vias romanas, após as invasões bárbaras, conforme mencionámos há bastante tempo. 
Sem essa infra-estrutura, a locomoção rodoviária, tornou-se mais problemática, e podemos quase falar numa reinvenção da roda, quando no Séc. XV voltamos a ter um uso descomprometido dos meios de locomoção.
Não foi apenas a navegação que sofreu um impulso com o início das explorações marítimas.
Também no solo, e para efeitos de maior progresso industrioso e comercial, passou a ser necessário ter as vias terrestres melhor cuidadas, e prontas para o transporte em carros e carroças.

Por isso, quando o Museu dos Coches insiste na absurda menção da sua inexistência antes do Séc. XV ou XVI, não está apenas a chamar a si o ridículo... está também a lembrar os tempos que fizeram a civilização humana ficar parada no tempo durante milhares de anos. Até que a roda fosse reinventada, usada sem quaisquer embaraços sociais ou religiosos, e não apenas como símbolo de tortura e morte.

01.05.2019

sexta-feira, 26 de abril de 2019

dos Comentários (49) 25 de Abril sem cravos

Em baixo, deixo os comentários de José Manuel de Oliveira, relativos ao postal


Destaco os seguintes pontos:

(i) O ensaio de Rui Ramos sobre "os generais de Abril", na realidade foca sobre a figura do general Costa Gomes (que foi depois Presidente da República), lembrando a sua citação de que as tropas mobilizadas para a revolução não chegavam a 2% do exército, e assim teriam sido insuficientes, havendo resposta do regime. 
É um passo no sentido de se querer saber quem estava por trás, mas Rui Ramos despista o assunto para canto das sereias, querendo focar nos generais, ou mais concretamente em Costa Gomes, ignorando a presença da NATO em Lisboa, com uma força suficiente para deixar a cidade em escombros. Parece preferir invocar que os EUA estariam entretidos com o caso Watergate, e faz por esquecer a forte presença naval canadiana, que até pelas fotos é impossível de ser ignorada.

(ii) Não estando no comentário de José Manuel, coloco em anexo ao texto duas fotografias que me parecem elucidativas. Num caso a fragata portuguesa Gago Coutinho com as armas ao alto (conforme relatado pelo oficial da Assiniboine), e noutro caso o contratorpedeiro canadiano HMCS Huron, com as armas baixas, e portanto em posição de combate. 
Neste ponto, estou convencido que os 5 navios da marinha canadiana participaram activamente no 25 de Abril, como força de dissuasão, e a prova disso é a presença do HMCS Huron, que era suposto já ter saído do Tejo. Aliás, o oficial da HCMS Assiniboine (o único a deixar acessível o registo escrito da operação) reporta que todos os outros navios já teriam saído, mas ao mesmo tempo fala da presença do comandante da HCMS Yukon.

(iii) Zero cravos! O mais difícil de encontrar nas fotografias do 25 Abril são cravos... 
Nos dias seguintes houve bastantes fotos de cravos, mas não do próprio dia! 
Encontrar um cravo numa fotografia do Largo do Carmo, é tão difícil quanto "Encontrar o Wally", ou mais ainda, já que neste caso é bem possível que não estivesse lá nenhum!
José Manuel dá aqui o relato na 1ª pessoa, estando todo o dia no Largo do Carmo.

(iv) Costuma-se falar em 4 mortos pela PIDE, que terá disparado indiscriminadamente contra a população, esquecendo também que um agente dessa polícia que terá sido abatido ao tentar fugir. Assim, e no final de contas, com contas trocadas, resta notar que nada muda quando à verdade fabricada pelo anterior regime se sobrepôs a falsidade descarada do actual.

__________________________________________________________
Comentários de José Manuel de Oliveira 
________________________________________

(i) Ensaio de Rui Ramos - Os generais de Abril
Deixo aqui um ensaio de Rui Ramos, a lerem no Observador: 


Sem os generais, a revolução nunca provavelmente teria acontecido, como aliás um desses generais, Costa Gomes, fez questão de notar anos depois: no dia 25 de Abril de 1974, as tropas mobilizadas para a revolução – 150 oficiais e 2000 soldados, a maior parte instruendos das “escolas práticas”, sem qualquer experiência de combate — nunca, em circunstâncias normais, teriam sido suficientes para derrubar um regime que, nesse ano, mantinha mais de 150 000 homens em armas”,
Em 74 apareceu na casa onde vivi um livro com o título Portugal e o Futuro, perguntei o que era aquilo? “era para acabar com a guerra em Africa”, não li, só recordei ser do General Spínola, dele diz Rui Ramos no Observador:
Em Portugal e o Futuro, que em 1974 foi editado, reeditado e traduzido como o livro que explicava o 25 de Abril, Spínola desfiava o rosário habitual dos críticos internos do regime salazarista na década de 1960: o mundo mudara e havia outras expectativas. “O tempo dos dogmas está ultrapassado”. Não se podia fingir que a emancipação nacional não estava na ordem do dia em África, ou ignorar que os portugueses ansiavam por uma prosperidade europeia [a CEE pagava melhor que Salazar…] e não por morrer numa guerra africana, dispendiosa e sem fim. A “crise” era a “mais grave da história de Portugal”. Contra os que, para evitar a desagregação do país, não viam alternativa à ditadura na metrópole e à guerra em África, Spínola sugeria uma via liberalizante e federalista que preservaria a “nação” enquanto ligação entre povos de diferentes continentes, mas em paz e democracia
Pois, mas desde quando os franceses iriam permitir concorrentes com províncias ultramarinas lusófonas a fazerem-lhes concorrência! Spínola quis ser o De Gaulle português e saiu-se mal…

(ii) HMCS Huron
Vasos de guerra não fundeiam frente a posições onde possam ser bombardeados, nesse caso ficam em deslocação velocidade máxima, essa do Contratorpedeiro Huron da NATO bloquear a Gago Coutinho face ao suposto alvo a força de Salgueiro Maia, no Terreiro do Paço em 25 de Abril de 1974, não convence… 
(1)

(2)
(1) Fragata Gago Coutinho (F-473) com armas ao alto. 
(2) HMCS Huron (DD-281) com armas em posição de combate.

(iii) Cravos, nem um...
E mais, não me lembro de ver UM cravo vermelho nos canos das G3, estive lá e no Carmo das 9:00 às 23:00, hora em que os mirones civis foram expulsos pela força da rua da sede da PIDE, antes vi tiros e mortos, cravos vermelhos essa é a mais bacoca desta “revolução”!
Salgueiro Maia no Largo do Carmo. Muita gente... mas zero cravos! Experimente procurar... nesta e noutras fotos.


(iv) A PIDE/DGS abre fogo sobre a população
--- Citações do que pode ser lido em https://journals.openedition.org/lerhistoria/1894
Nas imediações da sede da PIDE/DGS, as ruas estavam cheias de gente que se interrogava sobre o destino da polícia política e exigia a sua ocupação, gritando e, por vezes, atirando pedras ao edifício.
A PIDE/DGS disparou, a partir da sede, por duas vezes, a última das quais pouco depois das 20 horas, o que causou dezenas de feridos e 4 mortos: 
  • Francisco Carvalho Gesteiro, empregado de comércio de 18 anos, 
  • José James Hartley Barneto, de 37 anos, 
  • José Guilherme Carvalho Arruda, estudante de 20 anos, e 
  • Fernando Luís Barreiros dos Reis, um soldado de 24 anos.

O comandante da primeira força militar a chegar ao local após a retirada inicial dos fuzileiros, o regimento de Cavalaria 3 de Estremoz, afirma no seu relatório:
«Cerca das 20h 30, fui alertado pela população de que elementos da DGS tinham aberto fogo (…) Em face desta informação, dirigi-me para a rua António Maria Cardoso e fim de evitar mais derramamento de sangue. Foram enormes as dificuldades para [atingir] o local pois a população com o seu desejo de vingança e completamente fora de si impedia qualquer manobra. (…) A população pedia vingança e que se atacasse o edifício, em cujas janelas se viam alguns elementos da corporação. Verificando que a força era pequena para iniciar o cerco, ordenei a comparência de reforços que estavam junto ao Quartel do Carmo (…). Verificando [ainda] que as forças eram insuficientes, solicitei ao comando do Movimento instruções e reforços para fechar completamente o cerco. Como não foram recebidas ordens para um ataque que continuava a ser exigido pela população, este não foi realizado. Tentei explicar à população a nossa atitude. Após bastantes esforços, fui compreendido e, apesar de não arredarem pé, não interferiram, pedindo unicamente para não os deixarmos fugir. Durante o espaço de tempo que mediou [entre] a chegada das forças de RC3 ao local e a vinda de reforços, constituídos por dois destacamentos da Marinha (…), foram capturados doze elementos da DGS e abatido um que fugira ao dar-se-lhe ordem para se entregar».
Publicado em Almeida, Diniz de, Origem e Evolução do Movimento dos Capitães, Lisboa, Edições Sociais

Tratou-se do servente António Lage, um funcionário da DGS, de 32 anos, morto, pois, nessa situação.
Costa Correia recorda que as forças sob o seu comando, chegadas à sede da PIDE, após os «assassinatos de civis e os feridos causados», eram compostas por um destacamento de fuzileiros especiais e uma companhia de fuzileiros.
«Fizemos o cerco em coordenação com as forças do Regimento de Cavalaria de Estremoz que já lá estava. Tinham pouca gente, por isso combinámos que eles ficariam na parte das traseiras e nós na parte mais dianteira”. O cenário era “de alguma calma durante a noite, mas com populares inquietos com o facto de a PIDE ainda não estar ocupada», lembra Costa Correia.
Perguntando a Costa Correia se não havia agitação pelo facto de terem morrido várias pessoas, este responde: 
«Sim, isso sim. Mas tenho a impressão que muitas pessoas tinham ido para casa ouvir as comunicações e as notícias. Não havia muitos populares na rua naquela noite. De manhã, depois, começou a haver muito mais».
-----

... e isto é pouco correto pois um comandante chegou ao local da PIDE já noite escura do 25 (diziam que estava a jantar…) e já lá estava nas traseiras da PIDE uma Chaimite, e um pelotão na frente (o tal servente da PIDE já tinha sido abatido antes!), onde tinham na mira das armas uma dúzia de pides nos degraus da porta, este comandante chega ao local a pé e ao meu lado sacou dum revolver à cintura, não usava a Walther… deu um berro 
à minha ordem manda avançar um a um para revistar, ao mínimo movimento suspeito fogo à matar”, 
os pides foram um a um encostados ao muro em frente debaixo de triangulação de atiradores, nesse momento fomos empurrados pelas G3 dos soldados a evacuar os civis… os fuzileiros só chegaram no dia seguinte!

Estive em perigo de vida sem o saber - a Chaimite estava nas traseiras provavelmente para evacuar alguém… como no Carmo!

Provável suspeito de pertencer à PIDE é rodeado por espingardas.
____________________________________________________

quinta-feira, 25 de abril de 2019

Do 11 de Setembro ao 25 de Abril

25 de Abril.
Este dia é comemorado em Itália como dia da libertação do "nazi-fascismo", já que nessa data em 1945, Milão e Turim caíram do controlo alemão, e três dias depois Veneza e toda a Itália ficava liberta da presença nazi. Coincide ainda com a comemoração veneziana do dia de São Marcos, de que aqui falámos ainda sobre a festa do botão de rosa
Festa do botão (bocolo) de São Marcos
Tradizione centenaria vuole che il 25 aprile a Venezia, festa di san Marco (che dal dopoguerra casualmente coincide con la festa della Liberazione dell'Italia dal nazifascismo), a fidanzate e mogli venga offerto un bocciolo (in veneto bòcolo) di rosa rossa, in segno d'amore.
 
Cartaz anunciado o 25 de Abril em Itália. Praça de São Marcos com um bocolo humano.

Convém notar que no cartaz vemos a papoila, e não se prende aqui com o Anzac Day, lembrança do desembarque em Gallipoli, em 25 de Abril de 1915... de que aqui também falámos, e que tem como flores associadas a papoila ou o cravo vermelho.

Coincidência notável, de Gallipoli a Veneza, da Itália a Portugal, passando por Londres, ou Viena, o 25 de Abril guardou as suas flores, papoilas ou cravos vermelhos.

Ainda me lembro que a acompanhar o ramo de flores em Maio era questão crucial acompanhar o ramalhete com uma papoila. Se na altura era vista como símbolo de liberdade, creio que só o percebi depois, talvez ao tempo de perceber que de outras papoilas saía ópio, invocando outras libertações de espírito. 

11 de Setembro.
Em 11 de Setembro de 1973, a CIA supervisionou o golpe de estado no Chile, que colocou o general Pinochet no poder, terminando no mesmo dia com o suicídio do presidente eleito, Salvador Allende.
Como é bem sabido, se havia coisa que estava bem presente na cabeça dos portugueses, era o carácter letal, e fora de controlo, a que este tipo de movimentações dava lugar.
 
Salvador Allende tentando escapar ao golpe. Bombardeamento do palácio presidencial. Pose de Augusto Pinochet. 

Também neste caso temos uma data que liga diversas lembranças, mais pelo aspecto sombrio. Desde a fracassada independência catalã, em Barcelona, ao golpe de estado no Chile, até aos atentados de Nova Iorque. A esta data não se associariam flores...

Do 11 de Setembro ao 25 de Abril, em sete meses, o que mudaria seria quase uma inversão.
De um golpe que tirava um governo eleito e colocava uma ditadura militar, para um golpe que retirava uma ditadura e pretendia colocar um governo eleito. 
Na América do Sul, seguir-se-iam movimentações destinadas a cimentar ditaduras militares, através da chamada Operação Condor, enquanto a Europa da NATO veria cair as últimas ditaduras existentes (Portugal, Grécia, Espanha).

Como se conjugavam eventos tão díspares e quase de sinal contrário?
Em 1973 a Inglaterra entrava na CEE, juntamente com a Irlanda e a Dinamarca. A CEE passava de 6 a 9 países. Os 3 próximos países prontos a entrar vão ser justamente os que saem desse regime ditatorial, ou seja, a Grécia, Portugal e Espanha. O novo crescimento da CEE, já UE, dá-se com a entrada da Suécia, Finlândia e Áustria. A UE está assim pronta para acolher os restantes países, acabadinhos de sair do Pacto de Varsóvia. Ou seja, no lado europeu, provavelmente sob orientação inglesa, procurou-se evitar conflitos e fazer transições democráticas pacíficas... tendo colapsado apenas no caso da dissolução jugoslava.
No lado sul-americano, a estratégia foi bem diferente, e a estratégia terá ficado a cargo da linha mais dura da CIA, a linha do 11 de Setembro. Com a queda do muro de Berlim, a necessidade de apoio aos regimes ditatoriais sul-americanos, foi-se desvanecendo, ainda que Cuba continuasse a influenciar os movimentos comunistas.
No final dos anos 90, na transição para o novo milénio, não havia razões para manter a especulação financeira, que tinha servido e sido especialmente eficaz para destruir a economia soviética. Excepto que, uma vez criado o monstro financeiro, ele decidiu justificar a sua existência, nem que para isso fosse preciso criar um perigo efectivo de terrorismo, conhecido como... 11 de Setembro.

terça-feira, 23 de abril de 2019

O elefante na sala: a NATO no 25 de Abril.

Quando em Fevereiro de 1975, o porta-aviões USS Saratoga estacionou em Lisboa, praticamente em frente ao Palácio de Belém, ninguém teve muitas dúvidas de que havia um significado político e militar na presença da frota americana na capital, mesmo disfarçada no enquadramento da operação Locked Gate ("Portão Fechado") da STANAVFORLANT, ou seja da NATO.

Fevereiro de 1975 - o porta-aviões USS Saratoga estacionado no Tejo, em Lisboa. (Jacarandá - foto)

O ano de 1975, do 11 de Março até ao 25 de Novembro, foi crescendo para o chamado Verão Quente do PREC (processo revolucionário em curso), onde a população sentia que o caminho político poderia tomar o sentido de uma ameaça vermelha, conforme fazia capa a Time em 11/08/1975, onde curiosamente chamava 
Lisbon's Troika
... ao conjunto Otelo Saraiva de Carvalho (MFA), Vasco Gonçalves (primeiro-ministro) e Francisco da Costa Gomes (presidente da república).

Por isso, lembro bem que, apesar da imprensa tentar ignorar a presença do USS Saratoga, o que se falava na altura é que os EUA estariam dispostos a intervir militarmente se a política portuguesa evoluísse para uma proximidade do bloco soviético. Havia quem achasse que uma invasão americana resolveria o problema, e poucos estavam importados com a independência nacional, diga-se. As "mocas de Rio Maior" eram brandidas para explicitar que a província não estava alinhada com as manifestações do PCP, e a presença americana só foi incómoda para as alas da extrema esquerda, maoístas, trotskistas ou leninistas.
Foram desta altura muitos murais que se viam em Lisboa, pedindo a saída da NATO, e por outro lado, a NATO perdendo a confiança no regime português, ponderou mesmo expulsar Portugal.

Vem este assunto a propósito das comemorações dos 45 anos do 25 de Abril.
Mais uma vez, pratica-se uma farsa ritual que cheira a mofo, onde se vão buscar alguns dos chamados "capitães de Abril", e onde basicamente as gerações seguintes agradecem a coragem, ousadia, etc...

Há 3 anos, deixei aqui um bom postal que relatava a participação da NATO:


Quantas referências existem na internet sobre a presença dos navios da NATO no 25 de Abril?
Tirando os artigos originais no facebook de Carlos S. Silva, e aquele que deixei, não aparece rigorosamente mais nada! 
No entanto, está bem documentado que a frota da NATO chegou a 23 de Abril e saiu a 25 de Abril. 
Como se ignora o elefante na sala?
- Não se fala dele. 
Podemos tentar procurar no Wikileaks, mas como é óbvio, nos documentos diplomáticos só aparecem as trivialidades conhecidas, reportadas pelos informadores locais.

Há um excelente artigo no Tony Seed's Blog, publicado este ano. Fala de Amílcar Cabral, mas como é um grande artigo, fala do enquadramento do 25 de Abril, da participação das forças navais do Canadá no golpe, e depois no apoio às operações de descolonização, expressando mesmo que o apoio canadiano teria visado esses interesses africanos.
É por exemplo interessante, ao revelar todo o enquadramento da Aginter na operação Gladio da NATO, e explica como a fabricação do Partido Socialista foi feita "de um dia para o outro", com a injecção de 10 milhões de dólares do SPD alemão (via Willy Brandt) e de um montante não revelado por parte da CIA.
"In 1974, when the fifty-year-old fascist regime was overthrown in Portugal, a NATO member, communists and left-wing military officers took charge of the government. At that time the Portuguese social democrats, known as the Socialist Party, could hardly have numbered enough for a poker game, and they all lived in Paris (Mário Soares) and had no following in Portugal. Thanks to at least $10 million from the Ebert Stiftung plus funds from the CIA, the social democrats came back to Portugal, built a party overnight, saw it mushroom, and within a few years the Socialist Party became the governing party of Portugal. The left was relegated to the sidelines in disarray.” 
(Philip Agee, “Terrorism and Civil Society: The Instruments of US Policy in Cuba.” August 9, 2003)

Faltaria dizer aqui que deverá ter sido crucial o uso da maçonaria, o GOL, que adoptou o PS, e Mário Soares, como rosto principal de uma nova política. Mário Soares, que tinha tido uma votação insignificante em 1969, pela CEUD, ganha toda a cobertura mediática para rivalizar com a chegada de Álvaro Cunhal, ambos vindos de Paris, com as cegonhas, para o 1º Maio, comemorado então em conjunto.

O que se terá passado?
Para efeitos de organizar a cabeça com estas e outras informações, uma hipótese que considero é a seguinte.
1º) Após as eleições de 1969 e até 1973 a política de Marcelo Caetano não mudou tanto quanto desejariam os seus aliados da NATO, especialmente no sentido de uma descolonização. A visita mal sucedida a Inglaterra em 1973 terá ditado o fim breve do regime.
2º) A partir de 1973 começariam a ser feitos os preparativos para um MFA. O primeiro sinal que os militares julgam surgir é o da publicação do livro de Spínola em Março de 1974. Mas nem o levantamento do Quartel da Caldas, a 16 de Março, terá precipitado as coisas, pois nem a ovação feita a Caetano no clássico Sporting-Benfica, fariam Marcelo Caetano suspeitar de que haveria repetição do levantamento a 25 de Abril. No entanto, nos bastidores, os preparativos continuavam a acelerar para a chegada da força naval da NATO.
3º) A movimentação das tropas em resposta ao 16 de Março terá servido para entender como seria depois a resposta no 25 de Abril. Quando as forças da NATO chegam para o exercício conjunto a 23 de Abril, toda a logística será tratada, com um envolvimento de um número mínimo de "capitães". A maioria saberia da benção externa, e de uma eventual cobertura caso as coisas corressem mal.
4º) O papel principal da NATO foi de força de dissuasão. O exercício "Dawn Patrol" a ter lugar exactamente no dia 25 de Abril, envolvia meios navais e aéreos. Por isso, esses meios não puderam ser usados pelo regime, pois isso comprometeria as tropas estrangeiras em solo português. Tudo assim se limitaria a uma movimentação clássica do exército, especialmente das tropas estacionadas próximo de Lisboa, que na sua boa maioria tinham sido arregimentadas favoravelmente à revolução.
5º) Temos assim uma situação invulgar de conflito, em que não se envolvem nem meios aéreos, nem meios navais, já que a fragata Gago Coutinho, que iria participar no exercício, acaba por se ver impossibilitada de agir contra as tropas de Salgueiro Maia, pela própria resolução de desafio adoptada pela fragata canadiana Assiniboine.

Consequências
A operação no 25 de Abril foi invulgar, porque ao contrário do habitual, usou-se muito mais cabeça do que força, e serviu como preliminar para as mudanças de regime que logo de seguida se vieram a verificar na Grécia e em Espanha. Toda a mudança de regime que se verificou com a queda do muro de Berlim, ou até com os levantamentos de tropas contra Gorbashev, tiveram o mesmo cuidado de evitar ao máximo qualquer efectivo uso de violência. Só a dissolução da Jugoslávia acabou por cair fora desse cenário razoavelmente pacífico. 
Se esta operação tivesse sido levada pela NATO em qualquer outro país, então Portugal, tal como os restantes países europeus, teria feito uma transição para o regime "democrático", nos anos 1980-90.
No caso espanhol bastou o exemplo português para contaminar essa transição, sem qualquer contexto militar. Ou seja, o plano estava pronto para ser posto em marcha, e foi aplicado de forma exemplar em Portugal... mas sem a benção e presença da NATO, os camaradas Óscar, Bravo, Tango, etc... teriam tido a mesma sorte que os anteriores - seriam simplesmente presos.

NEVER UNPREPARED

domingo, 21 de abril de 2019

Ser humano. Ser o mano.

Os dois últimos postais foram sobre os manos e sobre humanos.

Se há coisa a que os seres humanos não são poupados, é à perspectiva de um pior horror.

Relembro aqui o postal Casanova e as velhas causas, que também tratava dos dois assuntos, e em particular da penosa execução que sofreu Damiens, acusado de tentativa de regicídio em 1757. Também em Portugal, o nosso bom maçónico Marquês decidiu exercer a sua crueldade pública nos Távoras, logo de seguida, em 1758.
O que podemos ver é que o aumento do conhecimento científico não serve para maior empatia, serve também para infligir maior sofrimento. Se Brunilda pode ter sido poupada ao uso de ácidos, Damiens não foi porque a ciência os vulgarizara.

Alguém soube de algo que tivesse inibido a crueldade latente?
- Não me parece. Se o exemplo cristão procurou ensinar a resposta não violenta contra a violência, isso não inibiu a Igreja de ser crédula na crueldade, trazendo mais inferno sob pretexto de nos querer livrar dele.

Creio que a Divina Comédia, de Dante, ficou famosa porque abriu novos níveis de inferno.
Uma tentativa de explicitar maiores horrores, nesse caso eternos, para que aos párocos cristãos não faltasse imaginação tenebrosa para converter fiéis pelo medo. 

Na arte, de Bosch a Munch, com quinhentos anos de diferença, vemos uma mesma tentativa de impressionar, de tornar desconfortável, a posição do espectador.

 
O grito. Edvard Munch (1893). A visão de Tondalys por Hieronimus Bosch ou seguidor (c. 1485)

Da literatura ao cinema, sempre que houve oportunidade, foi dada toda a liberdade ao horror, ao terror, à sua presença no nosso imaginário, até das formas mais sinistras que foram pensadas. Nem sequer as crianças eram a isso poupadas, com contos infantis onde as mais desprevenidas tanto podiam ser o repasto de lobos como de bruxas.

Poderá dizer-se que fomos poupados a alguns registos ainda mais tenebrosos, mas esse é sempre o epílogo do horror - afirma-se poder ser pior que o pior conhecido. No fundo, uma trivialidade também aplicável à ignorância dos intelectuais. 
Ou, como no filme "Contacto", não se fala dos horrores que conhecemos, fala-se dos horrores que desconhecemos, isto acerca da cápsula de cianeto (supostamente dada aos astronautas):
«There are a thousand reasons we can think of for the occupant of the machine to have this with them [cyanide pill] - but mostly it's for the reasons we can't think of.»
As religiões cobram na Terra a entrada para o Paraíso celeste.
Como factor persuasivo, ameaçam com infernos mais tenebrosos que os terrenos.
A perspectiva infernal serviu como seguro de obediência e bom comportamento terreno.
Repare-se como a morte foi excluída, enquanto saída intermédia, proibindo o suicídio.

Nada seria mais socialmente perigoso do que alguém sem medo de morrer. 
Assim a religião não serviu apenas para combater o medo da morte, serviu para combater a falta de medo perante a morte, com a promessa de castigo eterno.

Enfado, em fado
Aquilo que é negligenciado, por falta de reflexão, é que o pior fado é o enfado.
A pior situação não é uma de que podemos sair, vivos ou mortos, é a aquela de que não podemos sair.
O pior Inferno é condenar alguém a ser Deus.
O Deus idealizado ficaria no permanente enfado de conhecer o seu fado.

O problema destas questões teológicas ou filosóficas, é que as falhas e contradições evidentes são varridas para baixo do tapete. Uma retórica grande e nula vai servindo para evitar a simples lógica.
"Alguém que conhece tudo..." é uma noção inexistente, porque inevitavelmente essa entidade desconheceria o desconhecimento. "Alguém que pode tudo..." seria outra, porque nesse caso nunca provaria ser capaz de se tornar eternamente impotente. 
A religião cristã poderá ter pensado resolver estes problemas óbvios, com uma dualidade homem-deus em Cristo, e a sua junção num mistério da trindade. Enquanto homem teria exeprimentado o desconhecimento e a impotência. Mas ninguém experimenta ser impotente sabendo a priori que não o é. Quanto a identificar dois a um, confundir a diferença na igualdade, é o mesmo que recusar o raciocínio. Chutar tudo isso para mistério é apenas a retórica na sua plena nulidade.

Há com efeito um eterno perigo, que é o perigo do enfadamento.
Quando o espírito começa a desprezar o detalhe, ao ponto de não se interessar por nada, então começará a aparecer uma sede do desconhecido. Porque se tudo passar a ser entendido como previsível e óbvio, então a falta de imprevisibilidade começará a aparecer como uma seca no espírito. 
Até neste ponto, a língua portuguesa ao usar a expressão "... isso é uma seca!" revela um aviso de sede, que normalmente é remetido ao emissor, ou que também pode ser falta de abertura do receptor para a novidade ou para a complexidade.

O enfado ocorre, por exemplo, quando mesmo que um emissor mude muito a emissão, considera o que recepciona como sendo praticamente o mesmo. É a situação típica em que há sucessivas reclamações contra uma prepotência, sem qualquer efeito. Por muita razão que o reclamante tenha, o sistema ignora-o sucessivamente. Nalguns casos, o reclamante exaspera ao ponto de recorrer a medidas mais drásticas, que podem incluir terror.
Por exemplo, os judeus zionistas reclamavam pelo estado de Israel, e não o conseguindo de outra forma, recorreram a atentados terroristas. Depois, de forma similar, os palestianos reclamaram contra Israel, e considerando que não estavam a ser ouvidos, recorreram a atentados terroristas...

Quando o indivíduo se dedica e concentra num objectivo, tende a tomar toda a recepção interpretada nesse propósito.
Se não consegue ser ouvido por via pacífica, tende a usar cada vez acções mais drásticas.
Numa sociedade que quer ignorar ou descartar discordâncias, esse será um caminho frequente.


Necessidade de horror?
Será pergunta no passado, porque a continuação parece opcional.
A pergunta pode ser colocada no sentido oposto... ou seja, poderia não ocorrer?

elencámos situações em que a natureza exerce o seu horror de forma cruel, quando serve uns animais como repasto a outros, ou como os faz perecer de fome, sede, etc. Sabendo o que sabemos, a esta possibilidade bastava ser possível, para nada haver que a impedisse de acontecer.

O espírito humano ao adquirir a possibilidade de fabricar coisas positivas, nada tinha que o impedisse de aproveitar essa fabricação, essa mesma genialidade, para o lado negativo, para o lado sombrio.

Podemos requerer uma empatia humana sempre presente, mas a natureza desafia toda a empatia, quando a ausência dela é uma possibilidade igualmente viável.
Aliás, houve casos em que uma maneira de combater o horror foi ficar completamente insensível a ele, foi aprender a viver com ele. Simplesmente essa falta de empatia para com o próximo, acaba por não ter sucesso social, porque é uma recusa de entendimento social.

A irmandade da humanidade, apesar de ser falsificada, com objectivos apaziguadores e inibidores para uns, e proveitosos para outros, teve a virtude de se tornar uma noção consensual no politicamente correcto.
Simplesmente essa irmandade será sempre desafiada, enquanto for aquilo que é... um projecto utópico localizado sem qualquer substrato ou vontade de implementação global.

Enquanto o uso de terror ou horror continuar a funcionarn uma lógica de causa-efeito, não há qualquer razão para desaparecer. Se nem tão pouco poderia desaparecer como fenómeno pontual, ilógico, e imprevisível, muito menos irá desaparecer enquanto fenómeno produtivo que pode provocar uma reacção quando outra não tem viabilidade de acontecer.

Ou seja, a necessidade de horror será tanto maior quanto a sociedade, dominada por alguns "irmãos" se for tornando cada vez mais cega e surda às mensagens enviadas pelos outros.